Nova Objetividade

Desenvolvida na Alemanha a partir de 1923, esta corrente influenciou e integrou, para além da pintura e da escultura, a arquitetura, a fotografia e a literatura.
A Nova Objetividade (Neue Sachlichkeit) apresenta-se contrária aos valores plásticos propostos pela agonizante estética expressionista e volta-se para a ordem e para o realismo, procurando interpretar objetivamente (sem a carga emotiva e a explosão sentimental do expressionismo) a realidade social da época. Foi herdeira do movimento alemão Neue Sezession e revela características próximas da corrente italiana Pintura Metafísica.
O seu interesse positivista pela tecnologia e pela produção industrial bem como a atenção especial dada aos fenónemos sociológicos foram fortemente influenciados pelo clima cultural e pelo desenvolvimento económico do pós-guerra, crença positivista na tecnologia e na produção industrial.
No campo das artes plásticas distinguem-se duas orientações com carácteres específicos: uma, protagonizada por George Grosz e Otto Dix, que abordavam uma temática ligada à representação da sociedade alemã contemporânea, dando grande ênfase à crítica social e política e assumiam um forte sentido satírico; outra, mais verista e clássica, apresentava qualidades que a aproximavam da tradição naturalista e era representada pelos pintores Alexander Kanoldt, Carlo Mense e Georg Schrimpf. Grande parte das pinturas destes artistas apresentam temáticas ligadas à vida quotidiana, integrando figuras monumentais e esculturais, inseridas em paisagens urbanas depressivas.
Como referenciar: Nova Objetividade in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-01-26 21:16:03]. Disponível na Internet: