Orfismo

O Orfismo representa uma tendência do Cubismo que se baseia na cor, tornando-a o elemento plástico fundamental da pintura, de certa forma negando ou subalternizando o valor da forma. O seu nome, atribuído pelo poeta Apollinaire em 1912, invoca o deus Orfeu.
O pintor orfista mais significativo foi Robert Delaunay, o qual muitas vezes incarna o próprio conceito de Orfismo. Entre outros artistas que integraram este movimento contam-se a pintora Sonia Delaunay, mulher de Robert Delaunay e, durante algum tempo, o pintor russo Frank Kupka e os franceses Léger e Picabia.
Delaunay desenvolveu, nos anos 10, um tipo de pintura que procurava a fragmentação da forma em planos de cor e de luz. Pintava formas circulares, que se afastavam da necessidade de existência de um motivo figurativo para fundamentar a imagem. Desta forma, o pintor podia explorar livremente os efeitos cromáticos de formas geométricas lineares e curvas, semelhantes a arco-íris fragmentados onde a cor se assume como forma e como tema. O carácter dinâmico das suas telas, determinado pelas linhas curvas e pela simultaneidade de planos aproxima-as do movimento futurista italiano e tornou-o um precursor da Arte Op.
Os conceitos estéticos desenvolvidos pelos pintores orfistas, nomeadamente por Delaunay e por Kupka, foram fundamentais para a génese de uma arte abstrata não representativa.
Como referenciar: Porto Editora – Orfismo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-17 08:20:32]. Disponível em