Os Versículos Satânicos

Romance de Salman Rushdie, cujo título original é The Satanic Verses, é publicado em 1988 e provoca grande polémica no mundo muçulmano.
A história centra-se em duas personagens, Gibreel Farishta e Saladin Chamcha, dois atores indianos que regressam de uma viagem à Índia de avião. Este explode, em sequência de uma bomba colocada por terroristas, pouco tempo antes do aparelho aterrar, no aeroporto de Heathrow, em Londres.
Apesar do trágico acontecimento, os dois indianos sobrevivem e, chegados a Inglaterra, começam a sofrer mudanças físicas. Gibreel Farishta, cujo apelido em hindi e urdu significa "anjo", passa a possuir uma auréola, enquanto Saladin Chamcha, cujo sobrenome significa "bajulador", transforma-se num meio homem, meio bode, com chifres, hálito hediondo, pés fendidos e um falo de dimensões descomunais. As duas figuras tornam-se assim metamorfoses do bem e do mal; um deles, tomando as características de anjo e, o outro, de diabo. Ao longo da obra, as duas personagens começam a confundir-se, originando um conflito entre o bem e o mal. Gibreel começa a ficar cada vez mais perturbado em relação à sua identidade em Inglaterra, à fé que vai perdendo e à sua relação amorosa com Allelluia Cone. Por sua vez, Saladin torna-se mais consciente da sua herança indiana e começa a aceitar tudo aquilo recusava. No fim da ação, Gibreel, perturbado, acaba por suicidar-se a fim de libertar-se da confusão mental que o atormentava, enquanto Saladin melhora, nalguns aspetos, o seu carácter.
A obra provocou grande polémica no mundo islâmico que criticou não só a linguagem violenta e obscena, como também a utilização de figuras, imagens e instituições, ligadas à história islâmica, embora sem representação de entidades reais.
Para os muçulmanos, a obra contém diversas referências que ofendem a sua religião. Repare-se no aproveitamento do título do romance: os "versículos satânicos" do Corão foram retirados pelo próprio profeta Maomé do texto original, dado que tinham sido revelados por Satanás e não pelo arcanjo Gabriel.
Outras referências do livro afrontaram a religião muçulmana. Destaca-se o sonho de Gibreel (após a sua metamorfose), através do qual é narrada a história de Jahilia e Mahound, aproveitando-se o momento onírico para falar sobre o Islão. O escritor criou um profeta ficcional, chamado Mahound, nome utilizado na época medieval por anti-islamitas para ridicularizar a versão satânica de Maomé.
Evidenciam-se ainda como ofensas ao Islão as referências às atividades sexuais de Mahound e ao bordel Hijab, nome que significa "véu" e com o qual as mulheres muçulmanas cobrem a cabeça. No bordel, aparecem as doze mulheres do Profeta, chantageando os clientes em troca de momentos de prazer. A localização do bordel, perto do Ka'aba (o primeiro lugar de culto do Islão) é também uma provocação à prática religiosa.
Em consequência da publicação do livro, foi emitida, a 14 de fevereiro de 1989, uma fatwa (decreto religioso) pelo "Ayatollah" Ruhollah Khomeini, condenando não só o escritor à morte, acusado de blasfémia e de apostasia, como também todos aqueles envolvidos na publicação e divulgação do livro. O líder religioso ofereceu uma recompensa monetária a quem matasse Salman Rushdie que, a partir dessa altura, passou a viver sob proteção da polícia britânica. Posteriormente, o escritor emitiu um pedido de desculpas pelas ofensas causadas aos muçulmanos, reafirmando o seu respeito pelo Islão, ao publicar, em 1990, o livro In Good Faith. No entanto, a fatwa não foi retirada e, quinze anos depois, a 14 de fevereiro de 2006, a Fundação dos Mártires anunciou que a fatwa, proclamada por Khomeini sobre Rushdie, permanecerá em vigor eternamente e ofereceu um prémio de 2,8 milhões de dólares (2,3 milhões de euros) pela morte do escritor. Durante esses quinze anos, o romance foi banido em vários países, como Índia, Paquistão e África do Sul e várias cópias da obra foram queimadas por comunidades muçulmanas, em demonstração de desprezo e censura. Em 1991, o tradutor italiano do livro, Ettore Capriolo, foi seriamente ferido e o tradutor japonês, Hitoshi Igarashi, assassinado. Em 1993, o editor do livro na Noruega, William Nygaard, foi gravemente ferido.
Em 1988, o romance não só recebeu o Prémio Whitbread, como também foi um dos candidatos finalistas ao Booker Prize for Fiction.
Como referenciar: Os Versículos Satânicos in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-15 07:00:25]. Disponível na Internet: