Pedro Rosa Mendes

Escritor e jornalista português, Pedro Rosa Mendes nasceu em 1968, na serrana cidade de Sertã. Aí começou os seus estudos que continuou nas cidades da Covilhã e Coimbra. Terminando o ensino secundário, ingressou no curso de Direito que não concluiu. Na verdade, "sucumbiu" ao apelo da Rádio Universidade de Coimbra, onde deu os primeiros passos na carreira de jornalista que viria a abraçar definitivamente. Tendo colaborado também no Jornal de Coimbra, acabou por ser escolhido para o corpo redatorial do Jornal Público, como resultado de um concurso aberto para vinte estagiários. Começando a sua colaboração na área da cultura, em dezembro de 1995, assume a sua participação na "página internacional".
Mais tarde, candidatou-se a uma das bolsas do Centro Nacional de Cultura, no âmbito de um concurso público para seis bolsas, subordinado ao tema "Criar Lusofonia". Submeteu, então, à apreciação do júri um projeto de um livro de viagens e foi um dos contemplados.
Retirando-se para casa dos pais, na Beira Baixa, foi amadurecendo este projeto que ganhou finalmente "alma", quando, aos 31 anos, Pedro Rosa Mendes, como repórter de guerra, relatou todas as sensações por si vividas por terras africanas, nomeadamente em Angola e Moçambique. Numa viagem de costa a contra-costa, de mais de 10 000 quilómetros, o autor viu e assistiu a realidades novas e diferentes, ouviu histórias e conviveu com gentes em lugares de acesso praticamente proibido por causa de uma guerra sem tréguas, mesmo correndo o risco de "desaparecer sem deixar rasto". Chocado com a realidade que lhe vai entrando pelos olhos dentro, Pedro Rosa Mendes diz sobre Angola (onde foi pela primeira vez em 1995) que o "surpreendeu o grau de destruição que é total e sobretudo o grau de destruição pessoal de cada indivíduo, do homem enquanto ser humano".
Neste romance, intitulado Baía dos Tigres (1999), galardoado com o Prémio Pen Club 2000, o narrador, mistura, numa simbiose perfeita, a vertente real com a ficção, levando a crítica a ponderar o autor entre os grandes nomes do fenómeno literário português.
Ilhas de Fogo (2002) foi a reportagem que editou juntamente com o ilustrador francês Alain Corbel e que descreve a organização das sociedades civis dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). No ano seguinte, Pedro Rosa Mendes e o fotógrafo João Francisco Vilhena publicam o romance Atlântico (2003).
Como referenciar: Pedro Rosa Mendes in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-22 01:45:38]. Disponível na Internet: