Planalto do Tibete

Planalto que se situa na Ásia Central, no Sudoeste da China, numa extensão aproximada de 4 000 000 km2. Faz parte do maciço dos Himalaias, e inclui a montanha mais alta do mundo: o Evereste, de 8848 metros, também conhecido pelos tibetanos como Chomolungma, que significa deusa do vento, ou como Sagarmatha, que entre os nepaleses significa deusa-mãe. Há desertos rochosos, lagos salgados e neves perpétuas principalmente no noroeste deste planalto.
É o planalto mais alto do mundo apresentando uma altitude média de 4500 metros. Também é conhecido por Teto do Mundo ou Shangri-La, que significa lugar cheio de alegria e paz.
Neste planalto nascem alguns dos mais importantes rios do continente asiático, como, por exemplo, o Mekong, Indus, Yangtze e Tsangpo (Bramaputra). É uma região rica em recursos minerais como o bórax, o ferro, o ouro, o cobre e o urânio, mineral de que o Tibete possui a maior reserva a nível mundial. A exploração abusiva dos seus recursos naturais constitui uma ameaça ambiental.
As atividades económicas aí desenvolvidas baseiam-se essencialmente na agricultura e na pecuária, representando esta cerca de 60% do valor global da produção agrícola. É de referir a existência do iaque, espécie ruminante de gado que, além de produzir leite e carne, serve também de transporte sendo apelidado de "barco do planalto" devido ao facto de ter uma grande resistência ao frio e suportar as fracas percentagens de oxigénio e de humidade ali existentes.
A maior parte da população do planalto concentra-se em centros urbanos como Xigazé e Lassa.
Como referenciar: Planalto do Tibete in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-22 02:08:17]. Disponível na Internet: