Ricardo Ribeiro

Fadista, Ricardo Alexandre Paulo Ribeiro nasceu a 19 de agosto de 1981, em Lisboa. É um dos mais tradicionalistas cantores da chamada nova geração de fadistas. É um daqueles casos em que o fado se confunde com a vida.
Oriundo de família sem posses, foi criado no Bairro da Ajuda. A sua tia tinha uma grande coleção de discos de fado. Apaixonou-se pelas músicas que ouvia e cedo começou a cantar. Aos nove anos, estreou-se a cantar em público. E foi passando por coletividades, sobretudo pela Academia da Ajuda. Na primeira vez que se inscreveu na Grande Noite do Fado não passou das eliminatórias. Até que a tia o levou à casa de fados «Os Ferreiras» e ouviu cantar Fernando Maurício. Ficou deslumbrado. Este tornou-se o seu grande mestre.
Aos 14 anos, concorreu novamente à grande noite de fados, e ficou em segundo lugar. Aos 15, com "Minha Mãe Nasci Fadista" (um fado do reportório de Fernando Maurício) ganhou o certame. E aos 18, repetiu a proeza, desta vez na categoria de seniores. Tornou-se fadista profissional, atuando em várias casas da capital, começando pela «Os Ferreiras» (ainda tinha 17 anos) e passando por outras como o Nono, o Café Luso e o Faia, até que se fixou, como residente, no Marquês da Sé - casa da fadista Alexandra. Pelo caminho, ainda antes da maioridade, chegou a ir atuar a Angola.
Além de Fernando Maurício, n'«Os Ferreiras» conviveu com a grande fadista Beatriz da Conceição e conheceu o músico e produtor Jorge Fernando, que acreditou na sua voz e o convidou para participar numa coletânea da Companhia Nacional de Música. Essa participação abriu-lhe as portas para o primeiro disco a solo, com o título Ricardo Ribeiro (2004, Companhia Nacional de Música).
É um álbum em que fica patente a sua predileção pelo fado tradicional. Como exceções, apenas quatro temas: dois de Jorge Fernando, um de Paco González e outro de Manuel Mendes. Opta por poetas de cariz mais popular e conta com letras especialmente escritas para si por José Luís Gordo e Rui Manuel. É acompanhado por José Manuel Neto (guitarra portuguesa), Jorge Fernando (viola) e Marino de Freitas (viola-baixo).
Ricardo Ribeiro, que tem como segunda grande paixão o flamenco, já atuou em países como Espanha, Itália e Estados Unidos. Em 2005, integrou o elenco do espetáculo Cabelo Branco é Saudade, de Ricardo Pais, juntamente com Argentina Santos, Celeste Rodrigues e Alcindo de Carvalho. No mesmo ano, foi distinguido com dois prémios de revelação: o Prémio Amália Rodrigues e o da Casa da Imprensa.
Como referenciar: Ricardo Ribeiro in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-12-14 10:44:52]. Disponível na Internet: