S. Inocêncio I

Pouco se sabe das origens deste papa, que São Jerónimo diz ser filho de Santo Anastácio. Exerceu o papado de 27 de dezembro de 401 a 12 de março de 417.
Santo Inocêncio escreveu um conjunto de trinta e seis cartas de conteúdo doutrinal, litúrgico (em que as celebrações teriam de ser conforme o rito romano) e disciplinar, que foi aplicado em toda a Igreja.
Em 415 todas as igrejas da Ilíria (Grécia) ficaram sob alçada direta do papa, servindo o bispo de Tessalonica de intermediário. Este sistema recebeu o nome de vicariato, criado para que o papa resolvesse qualquer recurso de uma pena decretada e reconhecesse ele mesmo os bispos.
Santo Inocêncio não reconheceu o bispo que substituiu o desterrado São João Crisóstomo em Constantinopla, o que representou mais uma pedra no muro que ia separando as Igrejas de Roma e da antiga Bizâncio, tendo de igual forma tomado o partido de São Jerónimo contra os opositores deste na Palestina.
Este papa conseguiu que o imperador Honório acabasse com as lutas entre gladiadores no circo, em Roma, e organizou um catálogo dos livros canónicos.
Durante o seu pontificado, em 410, deu-se o saque de Roma por Alarico. Fugido da cidade, o papa regressou em 412 e empreendeu a obra de reconstrução da Urbe, que já não era imperial.

Como referenciar: S. Inocêncio I in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-28 18:21:21]. Disponível na Internet: