Sultanatos da Malásia

Malaca, o primeiro reino malaio, estava dependente da Tailândia, a quem pagava um tributo em ouro. Os anos mais gloriosos do reino de Malaca foram entre 1450 e 1490, quando o islão penetra na Malásia e se torna crucial na expansão das doutrinas islâmicas por toda a península. Apesar dos malaios serem agora muçulmanos, Malaca continuava a encorajar os comerciantes chineses e hindus. Nos finais do século XV, Malaca era um local suficientemente importante para dar o seu nome aos estreitos e à própria península. Em 1511, Malaca foi tomada por Afonso de Albuquerque e absorvida por um sistema português no sentido do controlo do comércio no Oriente. Os portugueses exploraram exaustivamente as possibilidades comerciais de Malaca mas nunca conseguiram destruir a monarquia nativa. O sultão Mahmud de Malaca impôs a nova capital malaia como centro do reino. Dos seus dois filhos, um tornou-se sultão de Perak e outro construiu uma nova capital em Johore Lama, no rio Johore, por volta de 1530. Na Guerra Triangular, que continuava entre os portugueses e Acém em Sumatra, Malaca foi atacada sucessivamente mas sem sucesso. Johore Lama seria capturada pelos portugueses em 1584. Em 1641 Malaca foi tomada pelos holandeses.
Como referenciar: Porto Editora – Sultanatos da Malásia na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-16 21:38:24]. Disponível em