The Who

Originalmente denominado The Detours, o grupo foi formado em Londres, em 1964, por Peter Townsend (n. 1945) na guitarra, John Entwistle (n. 1944) no baixo, Roger Daltrey (n. 1944) na voz e guitarra e Keith Moon (n. 1947 - m. 1978) na bateria.
Possuidores de uma energia adversa a convencionalismos, em que a destruição de instrumentos em palco e de quartos de hotel era acontecimento frequente, os The Who fizeram o seu caminho como umas das mais idolatradas bandas das décadas de 60 e 70. Apesar de todo o sucesso, o grupo ficou ligado a uma das piores tragédias da história da música, quando, em dezembro de 1979, em Cincinnati, 11 pessoas morreram na corrida aos melhores lugares para o espetáculo.
Estrearam-se em 1965, com o álbum My Generation (1965), do qual foi extraído o single com o mesmo nome, o qual se tornaria um do hinos do grupo. A realização mais marcante da sua história foi a ópera-rock, "Tommy" (1969), que o grupo levou a grandes palcos mundiais, como o Woodstock Music Festival (1969), o London Coliseum (1969) ou a Metropolitan Opera House de Nova Iorque (1970). Em 1975, Ken Russell realizou a versão cinematográfica, que contou com as prestações de Roger Daltrey, Elton John, Jack Nicholson, Tina Turner, Eric Clapton e Ann-Margret. Quadrophenia (1973), outra ópera, constituiu mais um sucesso de vendas, e também teve direito versão no cinema.
Entre o seus álbuns mais representativos encontram-se A Quick One, The Who Sell Out, Live At Leeds, Who's Next, The Who By Numbers, Who Are You e The Kids Are Alright. Da longa série de singles de sucesso, podem destacar-se "I Can't Explain" (1965), "The Kids Are Alright" (1966), "I Can See For Miles" (1967), "Pinball Wizard" (1969), "Behind Blue Eyes" (1971), "Won't Get Fooled Again" (1971), "Who Are You" (1978) e "You Better, You Bet" (1981).
O final dos anos 70 não foi fácil para o grupo, pressagiando a sua dissolução em 1983. Pete Townsend, responsável pela maior parte da composição, envolveu-se seriamente nas drogas, o que quase lhe custou a vida. A 7 de setembro de 1978, Keith Moon não resistiu a uma dose exagerada de comprimidos, receitados para controlar o seu alcoolismo, vindo a falecer. Para o seu lugar entrou Kenny Jones (n. 1948). Na sequência de divisões no seio do grupo, às quais não foi alheio o insucesso dos últimos álbuns, Pete anunciou o fim dos The Who. Aconteceu a 16 de dezembro de 1983, numa conferência de imprensa.
Sem nunca assumir o regresso em definitivo, o grupo reúniu-se em várias ocasiões, para gáudio dos seus fãs. Assim, em 1985, juntaram-se à legião de artistas que deram a sua contribuição no concerto Live Aid. Em 1988, Pete compôs uma ópera-rock baseada no livro infantil The Iron Man, tendo convidado Roger e John para tocarem juntos dois temas do álbum. As faixas foram creditadas aos The Who. No verão de 1989, efetuaram uma digressão denominada The Who's 25th anniversary tour.
Em 1996, o grupo voltou a juntar-se, desta vez sem a designação que os fez famosos, mas com os nomes individuais, para uma digressão de Quadrophenia.
A ópera-rock Tommy foi adaptada aos palcos, agora sob a designação de The Who's Tommy, transformando-se num musical de sucesso, a partir de abril de 1993, aquando da sua estreia na Broadway. A peça foi galardoada com cinco Tony Awards.
O percurso musical desta banda ícone dos anos 60 pode ser revisitado na coletânea The Ultimate Collection (2002), onde se encontram os principais êxitos dos The Who. Roger Daltrey, Pete Townshend e John Entwistle, falecido em 2002, seguiram carreiras a solo.
Como referenciar: The Who in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-07-14 08:23:45]. Disponível na Internet: