Timóteo

Político e general ateniense, filho de Cónon e aliado de Isócrates. Foi eleito estratega, em 378 e 376 a. C., e com uma vitoriosa expedição naval restituiu a aliança entre Atenas e os habitantes de Corfu, os de Acarnas e os Epirotas. Comandou a esquadra de Atenas contra Esparta, a seguir à paz de 374 a. C., mas uma grave incriminação por não ter passado ao ataque, por causa da falta de meios, valeu-lhe um processo e, apesar de absolvido, viu afetada a sua carreira. Só em 367, depois de vários anos ao serviço do rei da Pérsia, regressou à sua pátria. Foi utilizado na operação naval contra Tebas e, no setor calcídico-trácio, amealhou sucessos, tendo, contudo, falhado na recuperação de Anfíolis (360 a. C.). Reeleito estratega durante a guerra social (que, entre 357 e 355 a. C., levou à separação de Atenas dos seus aliados de Rodes, Bizâncio, Quios, Cós, Mitilene e Corfu), no recontro de Embata (356 a. C.), juntamente com Hifícrates, recusou-se a cooperar no ataque com Carete que, ao ser derrotado, o acusou de corrupção. Condenado a uma grave multa, partiu para Calcídia e aí morreu em 354 a. C.
Como referenciar: Porto Editora – Timóteo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-07-23 23:24:28]. Disponível em