Zaha Hadid

Arquiteta e professora universitária iraquiana, Zaha Hadid nasceu em 1950, em Bagdade. Estuda na American University of Beirut (1971) e licencia-se em Arquitetura pela Architectural Association, em Londres (1977), cidade na qual se estabelece. Integra nesse mesmo ano o OMA - Office off Metropolitan Architecture, lecionando na Architectural Association com o arquiteto Rem Koolhaas e Elia Zenghelis. Mantém a atividade académica, nomeadamente como professora convidada nas universidades de Columbia e Harvard, bem como vários seminários um pouco por todo o Mundo; em 1994 leciona a cadeira anteriormente do arquiteto Kenzo Tange na Graduate School of Design, Harvard.
Expõe pintura e desenho seus, em conceituados museus desde 1978, como no Guggenheim de Nova Iorque; os seus trabalhos fazem parte da coleção permanente de diversas instituições.
Estabelece-se profissionalmente em 1979, com o projeto de um apartamento em Eaton Place, Londres, pelo qual recebe em 1982 a Medalha de Ouro em Architectural Design. Recebe ainda em 1994 o Prémio Erich Schelling. É nomeada no concurso para o Peak Club, Hong-Kong e recebe o 1.° prémio nos concursos Kufurstendamm, Berlim (1986), Centro de Arte e Comunicação, Dusseldorf (1989) e da Ópera de Cardiff (1994).
Outras obras a destacar são: o Media Park, Zollhof (1990); Folly 3, Osaca (1990); restaurante Moonsoon, Sapporo (1990); e a mais emblemática de todas, a estação de bombeiros da Vitra, Weil am Rhein, Alemanha (1991-1993), um complexo de produção de objetos de design, onde intervieram igualmente Frank Gehry, Álvaro Siza e Tadao Ando, entre outros arquitetos. Além da arquitetura, dedica-se ainda ao desenho de mobiliário e interiores, como, por exemplo, para a Bitar, Londres (1985).
Uma das figuras mais carismáticas do desconstrutivismo, a par de arquitetos como Daniel Libeskind e Steven Holl, entre outros, foi em larga medida influenciada pelo construtivismo russo (como, por exemplo, Ivan Leonidov). Foram estabelecidas comparações ao nível do visionarismo destes dois movimentos.
Ao atribuir uma importância essencial ao programa dos seus edifícios, formaliza noções e conceitos inerentes a esse mesmo programa, por vezes em detrimento da eficácia funcional. Experimentalista a nível conceptual e construtivo, as suas obras adquirem uma complexa expressividade vanguardista, ao ponto de estarem muito próximas da escultura (na expressão de conceitos, no provocar de emoções/reações sensitivas, na criação de ícones); entre o virtual e o expressionismo.

Como referenciar: Zaha Hadid in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-15 07:24:50]. Disponível na Internet: