Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Cancioneiro Geral

Volumosa coletânea poética, reunida e organizada por Garcia de Resende, impressa em Lisboa, em 1516, por Hermão de Campos. Agrupa a produção poética de 289 poetas portugueses e de 29 poetas castelhanos, num total de 1000 composições. Aí encontramos novas formas poéticas como vilancetes, cantigas, esparsas, trovas, em medida velha - redondilha menor ou maior - e ainda um certo número de composições de arte maior.
Entroncando na tradição galego-portuguesa dos cancioneiros trovadorescos coletivos e em contacto com os cancioneiros castelhanos quatrocentistas, nomeadamente o de Hernando del Castilho, o Cancioneiro Geral nasce do propósito de perpetuar as "cousas de folgar e gentylezas", no qual conto entra a "arte de trovar", cultivadas nos serões palacianos, declarando-se o autor, no prólogo, leal ao princípio de não continuar a incúria com que os portugueses registam as coisas "dinas de grande memoria", votando-as, assim, ao esquecimento. Refletindo nas composições dos seus cerca de 300 colaboradores, a mentalidade e os costumes das cortes de D. Afonso V, D. João II e D. Manuel I, a poesia palaciana, produzida entre cerca de 1440 e 1516, na sua dupla vocação, lúdica e de convívio social, desenvolve aí géneros, temas, e tradições literárias diversas. Com efeito, na charneira entre a época medieval e a época moderna, aí convivem uma linha de continuidade com a poesia medieval, através de composições satíricas, através de géneros específicos como o pranto ou a tenção e através de uma poética amorosa, exacerbada nos excessos de conceptualização do sofrimento amoroso; e uma linha de rutura que denuncia um gosto crescente pela cultura clássica latina - o aparecimento da mitologia, o gosto da áurea mediania e tentativas fracassadas de poesia épica -, a influência italiana de Petrarca - o ideal da mulher perfeita, o amor platónico e a Natureza como confidente - e Dante - que inspirou poetas a traçar ambientes noturnos e a exprimir a dor dos amantes no Inferno.
Um dos filões mais importantes do Cancioneiro corresponde às composições de temática amorosa. Manifestação da sobrevivência dos códigos de amor cortês e presos a lugares-comuns que servem de ponto de partida para a expressão conceptualista da casuística amorosa, fundada nas antinomias morte/vida, cuidar/suspirar, querer/desejar, ver/cegar, etc., estes textos nem sempre primam pela originalidade, embora alguns cheguem a compor pequenas obras-primas da lírica quatrocentista e quinhentista portuguesa. A outra vertente mais proeminente do Cancioneiro é a da poesia satírica: continuando a tradição medieval das cantigas de escárnio e maldizer, estas trovas, individuais ou de composição coletiva, tendo como alvo judeus, funcionários régios, cortesãos e até as próprias damas, ridicularizam os modos de vestir, situações indecorosas, os constrangimentos da vida na corte, a aventura expansionista. A par da lírica amorosa e satírica, o Cancioneiro acolhe ainda poemas elegíacos, encomiásticos, heroicos e religiosos.
Páginas do "Cancioneiro Geral", organizado por Garcia de Resende e impresso em 1516
Estátua de Garcia de Resende, escritor e compilador do "Cancioneiro Geral"
No grupo de autores que compõem o Cancioneiro Geral encontram-se poetas de altíssimo valor, como o Conde de Vimioso, Diogo Brandão, Duarte de Brito, Garcia de Resende, João Roiz de Castel Branco, Sá de Miranda, Bernardim Ribeiro, entre outros.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Cancioneiro Geral na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-30 20:45:41]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais