Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Ravena

Cidade de Itália, capital da província com o seu próprio nome. Situa-se a 7 km do mar Adriático, na planície do canal Corsini. Foi, no passado, um grande centro comercial que se veio a ressentir com o afastamento do mar.
Os romanos utilizaram-na como ponto estratégico na rota litoral a partir do século III. Tornou-se quartel-geral de César entre os anos 53 e 50 a. C., e Classis, o seu porto, foi lugar de estabelecimento de uma das duas grandes frotas do Império Romano. No século II tornou-se capital da Flamínia e no século IV da Emília. Em 402 o imperador Honório promoveu-a a capital do Império Romano do Ocidente, para facilitar os contactos marítimos com o Oriente.
Odoacro entregou a cidade a Teodorico, rei dos Ostrogodos, em 493, tendo sido o local escolhido para fixar a residência real. Tomada em 540 pelas tropas bizantinas de Belisário, tornou-se a capital do exarcado bizantino.
Ravena submeteu-se a Roma em 568. Foi conquistada em 752 pelos lombardos, tendo sido recuperada logo de seguida por Pepino, o Breve. Até ao século XII esteve sob o poder dos arcebispos de Ravena e a partir do século XIII foi governada pela família Polenta. De 1441 a 1509 pertenceu aos venezianos e desde 1797 à República Cisalpina. Em 1815 voltou às mãos dos Estados Pontifícios e em 1860 foi incorporada no reino de Itália.
Possui alguns dos mais emblemáticos monumentos da arte paleocristã e bizantina: o mais antigo é a catedral construída no século V e que alberga a famosa cadeira episcopal de marfim com relevos de 550; a Igreja de São Vital construída entre 526 e 547, edifício de planta centralizada coberto de cúpula assente sobre colunas; a Igreja de Santo Apolinário Novo, mandada construir por Teodorico em 504; o templo de S. João Evangelista mandado construir pela imperatriz Gala Placídia, em 425, apresentando um conjunto de frescos posteriores da autoria de Giotto; o mausoléu da mesma imperatriz de 440 é um dos mais acabados exemplos de arquitetura em baldaquino e planta centralizada octogonal própria de um espaço de tumulação; Santo Apolinário in Classe (549), situado nos arredores da cidade, constitui um dos melhores exemplos de edifício de planta basilical do período paleocristão com nártex, cripta e decoração interior em mosaicos e mármore; Santa Maria della Rotonda, alberga o túmulo de Teodorico; o palácio episcopal e o túmulo de Dante Alighieri.
Os chamados Monumentos Cristãos Antigos de Ravena constituem uma área classificada Património Mundial pela UNESCO.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Ravena na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-27 22:30:25]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros