Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe

2 min

Charlie Brown Jr.
favoritos

Banda brasileira fundada em 1992, em Santos, São Paulo. Depois de uma infância complicada, Alexandre Magno Abrão partiu para Santos, aos 17 anos, descobrindo o seu interesse pelo skate e pelos graffiti, convivendo com a realidade suburbana da metrópole. O salto para a música aconteceu quase por acaso quando, num bar santista, em plena atuação de um agrupamento de amigos, foi chamado ao palco para substituir o vocalista. Mais tarde, e depois da troca do baixista desse coletivo por Champignon, à data um adolescente de 12 anos, Chorão - a alcunha de Alexandre Abrão - decidiu formar a sua própria banda. Para isso, convidou Champignon e Pelado, um baterista que conhecera entretanto. A estes, juntaram-se mais tarde os guitarristas Marcão e Thiago, completando a primeira formação dos Charlie Brown Jr. Seguiu-se o normal tirocínio nas lides musicais, com algumas atuações nos bares santistas, até serem casualmente descobertos pelo produtor Marcelo Vieira. A demo tape que gravaram em 1994, no seguimento dos contactos com o produtor, haveria de convencer os executivos da Virgin e render aos Charlie Brown Jr. o primeiro contrato discográfico da sua carreira. A mistura de ska, punk e rock, temperada com a irreverência da juventude, dava os primeiros passos para se vir a tornar uma referência da música brasileira.
O primeiro álbum, editado em 1997, tornou-se rapidamente um êxito comercial, com mais de cem mil cópias vendidas. Logo no debute, a banda conseguia o seu primeiro disco de ouro e saltava para a primeira linha do rock brasileiro. No mesmo ano, a provar o impacto da sua ascensão meteórica para o estrelato, abrem alguns espetáculos da digressão brasileira dos Offspring. Os anos seguintes confirmariam a adesão do público brasileiro, mormente das camadas mais jovens, ao som rebelde e divertido dos Charlie Brown Jr., com vários discos de ouro e atuações lotadas em palcos de referência da música brasileira. Para trás ficavam os tempos dos concertos underground, para audiências pequenas e pouco entusiasmadas. O pico comercial do grupo chegaria em 2003, com a marca de tripla platina por mais de quatrocentas e cinquenta mil cópias vendidas, para o álbum acústico pela MTV. O sucesso inesperado das composições da banda num registo mais sereno foi a derradeira declaração de maturidade face aos críticos que olhavam para eles como uma banda de miúdos. Mas o crescimento artístico do agrupamento e a sua consequente projeção mediática também trouxe à baila os primeiros problemas e divisões. Alegando divergências musicais irreversíveis, Champignon, Marcão e Pelado deixam os Charlie Brown Jr., no início de 2005. Para os seus lugares, entram o baixista Heitor Vilela Gomes, o percussionista Pinguim e o guitarrista Thiago Castanho, que havia colaborado com a banda até 2001. O primeiro registo com o novo alinhamento, Imunidade Musical (2005), veio confirmar o decréscimo de popularidade dos Charlie Brown Jr. desde o acústico para a MTV. Ainda assim, a banda manteve uma intensa atividade de palco, correndo o Brasil de lés a lés e tentando resgatar o espaço mediático que tivera antes. Em 2007, seriam incluídos nos nomeados para o prestigiado galardão Multishow da música brasileira.
Discografia
1997, Transpiração Contínua Prolongada
1999, Preço Curto, Prazo Longo
2000, Nadando Com Os Tubarões
2001, 100% Charlie Brown - Abalando A Sua Fábrica
2002, Bocas Ordinárias
2003, Acústico MTV
2004, 'Tamo Aí Na Atividade
2005, Imunidade Musical
Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – Charlie Brown Jr. na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-06-17 04:19:29]. Disponível em

Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe