Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe

1 min

Manuel Lopes de Almeida
favoritos

Professor, político e investigador português, Manuel Lopes de Almeida nasceu a 16 de agosto de 1900, em Benavente, no distrito de Santarém.
Frequentou os estudos superiores de Medicina, no entanto, formou-se, em 1929, em Ciências Históricas e Geográficas pela Faculdade de Letras de Coimbra, onde logo exerceu o cargo de professor auxiliar, nos setores da História Geral, de Portugal e dos Descobrimentos. Entre 1945 e 1970, dirigiu a Biblioteca Geral da Universidade e, no período de 1945 a 1970, dirigiu o Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, para além dos Ata Universitatis Conimbrigensis e da Revista da Universidade, em 1958. Académico de Número, o professor foi ainda Presidente da Academia Portuguesa de História, entre 1960 e 1962.

No campo da investigação, Manuel Lopes de Almeida, especializou-se nas questões da docência, da produção historiográfica global e da Universidade de Coimbra, especificamente. Da sua vasta obra, destaca-se os dois volumes de Documentos da Reforma Pombalina (1937 e 1979), Documentos para a História da Atividade Editorial da Universidade de Coimbra (1962), O Instituto (1967), Subsídios para a História da Universidade de Coimbra e do seu Corpo Académico (1964 e 1966), entre outros.

Como político, foi designado por Oliveira Salazar, em 1934, chefe de gabinete do ministro da Educação e, em 1937 e 1959, foi eleito deputado na Assembleia Nacional. Exerceu ainda, em 1940, o cargo de diretor-geral do Ensino Superior e das Belas-Artes, entre 1940 e 1946, foi subsecretário de Estado da Educação Nacional e, de 1961 a 1962, foi ministro da Educação Nacional. A Manuel Lopes de Almeida deve-se a criação da Faculdade de Letras do Porto e dos Estudos Gerais Universitários em Angola e Moçambique. Durante o seu mandato como ministro, confrontou-se com as divergências entre, por um lado, a Reitoria e a Universidade de Coimbra e, por outro, os órgãos homónimos da Universidade de Lisboa, divergências que conduziram à chamada Crise Académica de 1962. De certa forma, os acontecimentos difíceis desse ano, levaram o ministro ao afastamento permanente da política.
Manuel Lopes de Almeida faleceu a 15 de dezembro de 1980, em Coimbra.

Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – Manuel Lopes de Almeida na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-04-20 21:00:17]. Disponível em

Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe