Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe

2 min

Manuela Ferreira Leite
favoritos

Política portuguesa, Maria Manuela Dias Ferreira Leite nasceu a 3 de dezembro de 1940, em Lisboa.

Aos 23 anos, licenciou-se em Economia no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras.
Enquanto estudante, foi distinguida com os prémios de aluno mais distinto do curso, aluno mais classificado do curso de Economia e aluno mais classificado na cadeira de Política Ultramarina.

Em 1963 e 1964, frequentou, como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian, um curso na Alemanha organizado pela OCDE sobre os aspetos económicos da educação.
A partir daí, foi investigadora do centro de Economia e Finanças do Instituto Gulbenkian de Ciência até 1972, ano em que passou a técnica do Serviço de Investimentos da Fundação.

Em 1980, foi chefe de gabinete de Aníbal Cavaco Silva, quando este estava à frente do Ministério das Finanças, numa altura em que governava o Partido Social Democrata.
Depois de ter desempenhado diversas funções na área da Economia, entre 1986 e 1990, Manuela Ferreira Leite foi diretora geral da Contabilidade Pública, tendo ficado a conhecer bem o Orçamento de Estado.

Esta experiência valeu-lhe, em 1990, o convite do então primeiro-ministro Aníbal Cavaco Silva, de quem sempre foi próxima, para ser secretária de Estado do Orçamento, cargo que desempenhou em exclusivo até 1991, altura em que passou a ser secretária de Estado Adjunta e do Orçamento.
Em 1993, abandonou estes cargos para passar a ser ministra da Educação, numa época em que havia uma grande contestação estudantil às políticas do Governo para a área. Mesmo assim, manteve-se no cargo até 1995, altura em que os sociais-democratas cederam a governação ao Partido Socialista.

Manuela Ferreira Leite passou então para a oposição, desempenhando a função de deputada na Assembleia da República para onde já tinha sido eleita em 1991. Enquanto esteve no Parlamento, foi presidente da Comissão Parlamentar de Economia, Finanças e Plano e vice-presidente do grupo parlamentar do PSD, tendo passado a presidente a partir de setembro de 2001.
A nível partidário começou por ser, em 1990, membro eleito do Conselho Nacional do PSD, tendo feito um percurso que a levou a ser vice-presidente do partido no período de liderança de Marcelo Rebelo de Sousa (1996-1999). Em 2000, chegou a presidente da Federação Distrital de Lisboa do PSD.

Em abril de 2002, tomou posse como ministra de Estado e das Finanças no XV Governo Constitucional, liderado por Durão Barroso. Neste cargo acumulou a gestão dos fundos comunitários, devido à extinção da pasta do Planeamento, e da Administração Pública.

Cessou as suas funções como ministra a 17 de julho de 2004, altura em que tomou posse o XVI Governo Constitucional, liderado por Santana Lopes, tendo sido substituída por Bagão Félix.
Manuela Ferreira Leite decidiu suspender o seu mandato como deputada para regressar ao cargo de técnica consultora do Banco de Portugal.

Em abril de 2008, o então presidente do PSD, Luís Filipe Menezes, demitiu-se do cargo e Manuela Ferreira Leite foi um dos candidatos ao lugar, que passou a ocupar efetivamente a 31 de maio desse mesmo ano.

Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – Manuela Ferreira Leite na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-06-17 14:30:15]. Disponível em
Outros artigos
ver+
Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – Manuela Ferreira Leite na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-06-17 14:30:15]. Disponível em

Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe