Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe

1 min

passividade
favoritos

A passividade caracteriza-se por uma ausência ou reduzida vontade de agir e também por uma fraca capacidade de reação. O sujeito que sofre de passividade tem igualmente uma falta de iniciativa e de poder de decisão. Habitua-se a não tomar muitas iniciativas, a ser alguém comandado pela vontade dos outros, que se define pela existência de uma obediência quase imediata aos outros, já que não expressa a sua própria vontade. Define-se igualmente por ser um sujeito que imita os atos dos outros e também as mímicas do outro, já que o seu carácter é fraco e por isso influenciável.
A passividade pode estar presente em alguns tipos de esquizofrenia, bem como nas organizações-limite, sob a forma da existência de uma relação de objeto anaclítica, ou seja, uma relação dual em que a separação é sentida como algo insuportável e em que não se distingue os traços próprios de cada sujeito, como se fossem um só, o que significa a completa dependência face ao objeto e a necessidade vital da sua presença.

Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – passividade na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-05-25 02:41:15]. Disponível em

Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe