vinho

vi.nho
ˈviɲu
nome masculino
1.
bebida alcoólica proveniente do sumo das uvas fermentado
2.
qualquer líquido alcoólico obtido por fermentação
3.
figurado embriaguez; bebedeira
vinho abafado
vinho cuja fermentação natural foi interrompida pelo acréscimo de aguardente ou álcool vínico
vinho aberto
vinho com pouca intensidade de cor
vinho adamado
vinho com baixa graduação alcoólica e sabor adocicado
vinho a martelo
vinho falsificado ou de fraca qualidade
vinho branco
vinho produzido com uvas claras ou, mais raramente, com uvas tintas a que se retiraram as cascas antes da fermentação
vinho carrascão
vinho de baixa qualidade, de cor carregada e taninoso
vinho clarete
vinho tinto de cor pouco carregada; vinho palhete
vinho da casa
vinho de mesa produzido ou selecionado por restaurante, geralmente de preço módico, para servir quando o cliente não requisita um vinho específico
vinho da Madeira
vinho generoso produzido nas ilhas da Madeira e do Porto Santo
vinho de enforcado
vinho verde feito a partir de uvas de vide de enforcado
vinho de gota
vinho elaborado com o primeiro mosto que flui de uma pressão ligeira, antes da verdadeira prensagem
vinho de lote
vinho produzido a partir de diferentes castas
vinho de mesa
vinho comum, que geralmente se bebe à refeição, com graduação alcoólica variável entre os 11° e os 14°
vinho de missa
vinho destinado à celebração da Eucaristia; vinho litúrgico
vinho de talha
vinho que é produzido e conservado em talha, geralmente de barro
vinho doce
vinho com alto teor sacarino, geralmente produzido a partir de uvas muito maduras
vinho do Porto
vinho generoso produzido na região do Douro
vinho dos mortos
vinho produzido na região de Boticas que, uma vez engarrafado, é enterrado durante alguns meses para apurar a sua qualidade
vinho encorpado
vinho tinto com cor intensa e consistência espessa
vinho espumante
vinho naturalmente gasoso; espumante
vinho fino
vinho generoso de longa formação e duração que, com o tempo, vai apurando algumas das suas qualidades
vinho fortificado
vinho cujo teor alcoólico foi aumentado pela adição de aguardente vínica ou outra bebida destilada
vinho frisante
vinho jovem que, apesar de naturalmente gasoso, apresenta menor pressão do que a de um espumante
vinho gaseificado
vinho a que foi acrescentado gás carbónico por processo artificial
vinho generoso
vinho licoroso de qualidade superior, próprio para se beber à sobremesa ou fora das refeições
vinho laranja
vinho produzido com uvas brancas, com maceração pelicular prolongada, que lhe confere uma cor carregada de tonalidade alaranjada
vinho leve
vinho com pouco corpo e baixo teor alcoólico
vinho licoroso
vinho a que foi adicionada aguardente durante a fermentação, tendo por isso um sabor doce
vinho litúrgico
vinho destinado à celebração da Eucaristia; vinho de missa
vinho moscatel
vinho generoso produzido a partir de uvas moscatéis
vinho palhete
vinho tinto de cor pouco carregada; vinho clarete
vinho rosado
vinho obtido por fermentação do mosto de uvas tintas, macerando as películas durante um período mais curto do que o usado para o vinho tinto
vinho tinto
vinho de cor vermelha, produzido a partir de uvas tintas
vinho tranquilo
vinho que não contém gás
vinho varietal
vinho produzido a partir de uma única casta ou com alto predomínio de uma casta
vinho verde
1.
vinho branco ou tinto, de sabor levemente ácido e por vezes gasoso, produzido no Noroeste de Portugal
2.
vinho produzido a partir de uvas colhidas antes da maturação
ter mau vinho
popular tornar-se violento ou quezilento quando ébrio
Do latim vinu-, «idem»
Como referenciar: Porto Editora – vinho no Dicionário infopédia da Língua Portuguesa [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-22 22:22:09]. Disponível em

PROVÉRBIOS

  • A quem não bebe vinho, o diabo o leva por outro caminho.
  • abril frio, pão e vinho.
  • Água ao figo e à pera vinho.
  • Água ao pipo, vinho à presa.
  • Águas de São João, tiram vinho, azeite e não dão pão.
  • Alho e vinho puro levam a porto seguro.
  • Amor de libertina e vinho de frasco pela manhã bom, à tarde gasto.
  • Aonde alhos há, vinho haverá.
  • Até ao São Pedro tem o vinho medo.
  • Azeite de cima, mel do fundo, vinho do meio.
  • Azeite, vinho e amigo, o mais antigo.
  • Bebe vinho branco de manhã e tinto de tarde para teres sangue.
  • Beber vinho não é beber siso.
  • Bom vinho, bom vinagre.
  • Bom vinho faz bom sangue.
  • Bom vinho, má cabeça.
  • Cada cuba cheira ao vinho que tem.
  • Carne de hoje, pão de ontem e vinho de outro verão fazem o homem são.
  • Carne que baste, vinho que farte e pão que sobre.
  • Chuva de São João, tira o vinho e o azeite e não dá pão.
  • Com melão vinho bom, com melancia água fria.
  • Conselho de vinho, é falso caminho.
  • De vinho abastado, de razão minguado.
  • Depois de melão, vinho de tostão.
  • Dia de São Martinho, lume, castanhas e vinho.
  • Em agosto nem vinho, nem mosto.
  • Foge do mau vizinho e do excesso de vinho.
  • Gente do Minho veste pano de linho, bebe vinho de enforcado e come pão de passarinho.
  • Homem valente e vinho velho duram pouco.
  • Jantar sem vinho, escopeta sem pólvora.
  • Livra-te do mau vizinho e do excesso de vinho.
  • maio come o trigo, agosto bebe o vinho.
  • maio frio, junho quente, bom pão, vinho valente.
  • Meia vida é a candeia e pão e vinho a outra meia.
  • Mel novo, vinho velho.
  • Na casinha portuguesa, pão e vinho sobre a mesa.
  • Neste mundo mesquinho quando há para pão, nunca há para vinho.
  • Nevoeiro de S. Pedro põe em julho o vinho a medo.
  • Ninguém se embebeda com vinho da sua adega.
  • No dia de São Martinho, vai à adega e prova o vinho.
  • O bom vinho arruína a bolsa e o mau o estômago.
  • O bom vinho faz bom sangue.
  • O pão pela cor e o vinho pelo sabor.
  • O vinho doce bebe-se como se nada fosse.
  • O vinho e o amigo, do mais antigo.
  • O vinho que vai para vinagre não retrocede o caminho.
  • Pão de hoje, carne de ontem e vinho do outro verão fazem o homem são.
  • Pão e vinho andam caminho que não moço ardido.
  • Pão e vinho um ano meu, outro do meu vizinho.
  • Pão que sobre, carne que baste, vinho que falte.
  • Pelo São Martinho, abatoca o teu vinho.
  • Pelo São Martinho, nem favas, nem vinho.
  • Pelo São Martinho, todo o mosto é bom vinho.
  • Poda na rama, vinho na cama.
  • Poda tardio, semeia temporão, terás vinho e pão.
  • Por cima de melão, vinho de tostão.
  • Por cima de pêras, vinho bebas.
  • Por São Martinho, nem favas, nem vinho.
  • Porco fresco e vinho novo, cristão morto.
  • Quando o vinho desce, as palavras sobem.
  • Quanto mais o vinho sobe, mais as palavras saem.
  • Queijo do Alentejo, vinho de Lamego.
  • Quem ceia vinho, almoça água.
  • Quem compra pão de praça e vinho de taverna, filhos alheios governa.
  • Quem poda tardio e semeia temporão, tem vinho e pão.
  • Quem tiver bom vinho, não o dê ao seu vizinho.
  • Se queres o velho menino, em cima do doce dá-lhe vinho.
  • Semeia trigo em barral e não ponhas vinho em cascalhal.
  • Sobre pêras, vinho bebas.
  • Solas e vinho, andam caminho.
  • Tonel mal lavado, vinho estragado.
  • Vasilha de pinho não faz bom vinho.
  • Vento de março e chuva de abril, vinho a florir.
  • Vinha que rebenta em abril, dá pouco vinho para o barril.
  • Vinho de Airó, bebe-o tu só.
  • Vinho e amigo, o mais antigo.
  • Vinho e linho, só são frios um bocadinho.
  • Vinho e medo, descobrem segredo.
  • Vinho e mouro, não é tesouro.
  • Vinho pela cor, pão pelo sabor.
  • Vinho que nasce em maio, é para o gaio; se nasce em abril, vai ao funil; se nasce em março, fica no regaço.
  • Vinho sobre melancia, dá pneumonia.
  • Vinho turvo e pão quente, são inimigos da gente.
  • Vinho verde em janeiro, é mortalha no telheiro.
VER +