Livros & Autores

Carla Pais

Autor em destaque

Álvaro Magalhães

Autor em destaque

Manuel Jorge Marmelo

Autor em destaque

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Lendas portuguesas

Lenda das Sete Cidades

ver mais

Beatriz e o Mouro

ver mais

A Raiva do Alva

ver mais

As Arcas de Montemor

ver mais

O Belo Suldório

ver mais

  • livros
  • autores
  • tem a palavra
A viciante pulsão da ficção

Escrevi a primeira versão desta história entre os 25 e os 28 anos, mas fiquei tão desanimado com o resultado que a deixei no fundo de uma pen. Mais tarde, por absoluta necessidade de criar, de dar uso à imaginação, decidi voltar a ela. Na altura, estava a lançar a Contraponto, a editora que dirijo, e os dias eram frenéticos. Quando chegava a casa, sentava-me de novo ao computador e punha-me a trabalhar numa tese de doutoramento. Sucede que, por entre pilhas de livros chatos e artigos científicos, talvez fugidas da pen guardada na gaveta, as personagens apareciam-me a saltitar no teclado e por toda a parte, até que o apelo da ficção se tornou muito mais veemente do que a vontade de me dar ao aborrecido texto académico. Sentia-me uma criança a ter de optar entre a escola e fazer gazeta para brincar num parque de diversões.

Foi, por isso, com a excitação da transgressão, um entusiasmo febril que só se sente quando sabemos estar a prevaricar, que recuperei alguns episódios e o grosso das personagens e, num frenesi que misturava alegria e alívio, desatei a escrever uma versão completamente nova do romance. Aproveitei todos os tempos livres: segundas à noite, todas as manhãs de sábados e domingos, dias feriados e até, de telemóvel na mão, esperas em consultórios médicos. Movia-me a viciante pulsão da ficção. É por esse motivo que quis que este livro fosse uma declaração de amor à imaginação e à capacidade de criar com que fomos dotados. Durante a escrita de ficção, conseguimos, muitas vezes, aceder à criptomnesia, uma espécie de gaveta funda onde estão arrumados conhecimentos e memórias que desconhecíamos possuir, e que possuem uma enorme força criadora. O processo de escrita teve ainda o condão de me permitir colocar em prática de forma regular uma dupla noção que eu havia adquirido durante a adolescência: a de que pensava melhor escrevendo e de que a escrita funcionava para mim como uma espécie de meditação.

Quero com tudo isto dizer que escrever este Baiôa sem data para morrer só me trouxe vantagens. A quem o ler não posso desejar proveito menor. Afinal, e ainda que, por vezes, nos esqueçamos disso, o livro e a leitura têm a enorme capacidade de nos oferecerem felicidade. Se Baiôa, Zé Patife, a Ti Zulmira, o fantasma do Dr. Bártolo ou Maria da Assombração, entre tantas outras personagens deste romance, derem aos leitores momentos felizes, eu serei um autor realizado.

Rui Couceiro

Destaques anteriores

Livros & Autores

Carla Pais

Autor em destaque

Álvaro Magalhães

Autor em destaque

Manuel Jorge Marmelo

Autor em destaque

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Lendas portuguesas

Lenda das Sete Cidades

ver mais

Beatriz e o Mouro

ver mais

A Raiva do Alva

ver mais

As Arcas de Montemor

ver mais

O Belo Suldório

ver mais