Augusto Rudolfo da Costa Malheiro

Oficial do exército (1869-1924), natural do Porto, ascendeu à categoria de alferes em 1889. Ligou-se à insurreição de 31 de janeiro de 1891 no Porto, na qual teve um papel importante. Esta ação colocou-o perante a necessidade de fugir para Espanha e posteriormente para o Brasil, ainda no ano de 1891. Instalou-se em Minas Gerais onde frequentou o curso de Engenharia. Acabado o curso, envolveu-se na revolução brasileira surgindo na chefia dos alunos da Escola Militar com a intenção de pôr termo à ação dos revoltosos sob o comando de Saldanha da Gama. Foi ferido em combate e, fruto de reconhecimento do Governo brasileiro pelos serviços prestados tornou-se capitão honorário do exército.
De regresso a Portugal, ocupou o posto de capitão no Regimento de Infantaria 16 numa altura em que já se tinha instaurado a República. Insistiu em acompanhar o batalhão expedicionário a Angola como voluntário, pois tinha sido dado como incapaz para servir nas colónias. Comandou a "Coluna Negra", cujo propósito era combater a Monarquia do Norte.
Como referenciar: Augusto Rudolfo da Costa Malheiro in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-05-26 21:45:46]. Disponível na Internet: