Christopher Walken

Ator norte-americano, Ronald Christopher Walken nasceu no bairro nova-iorquino de Queens a 31 de março de 1943. Pisou os palcos pela primeira vez aos 10 anos, dançando sapateado com os seus dois irmãos em programas televisivos. Num deles conheceu o ator e comediante Jerry Lewis que o aconselhou a seguir uma carreira artística. Com 15 anos, trabalhou como tratador de felinos num circo para poder pagar um curso de dança. Em 1959, foi figurante numa peça teatral protagonizada por Liza Minnelli e, no ano seguinte, chegou à Broadway pela mão de Elia Kazan, desempenhando um papel secundário na peça J.B. (1960). Continuou a trabalhar em teatro até que o realizador Sidney Lumet o convidou para desempenhar um pequeno papel no filme The Anderson Tapes (O Dossier Anderson, 1971), onde trabalhou ao lado de Sean Connery e de Harrison Ford. Continuou a fazer cinema e televisão, sempre em participações secundárias como em Roseland (Amar Sobre a Cidade, 1977) e em Annie Hall (1977), onde pela primeira vez desempenhou um personagem desequilibrado, tónica que viria a marcar a sua carreira futura. O seu grande êxito foi o desempenho de Nick, um veterano da guerra do Vietname, em The Deer Hunter (O Caçador, 1978), tornando-se célebre a cena em que joga à roleta-russa, vindo a enlouquecer posteriormente devido à pressão da guerra. A prestação valeu-lhe o Óscar para o Melhor Ator Secundário, mas os seus desempenhos posteriores como protagonista foram afetados pelos fracassos comerciais dos títulos: The Last Embrace (O Último Abraço, 1979), The Dogs of War (Cães de Guerra, 1980) e Heaven's Gate (As Portas do Céu, 1980). Protagonizou, ao lado de Natalie Wood, o último filme desta, Brainstorm (1983), tendo estado presente no iate na noite em que a atriz se afogou. David Cronenberg chamou-o para liderar The Dead Zone (Zona de Perigo, 1983), que viria a tornar-se um filme de culto. Neste filme, desempenhou John Smith, que sobrevive a um acidente grave, desenvolvendo poderes telepáticos, conseguindo adivinhar o destino de uma pessoa através do contacto físico. Foi um dos mais carismáticos vilões da saga James Bond, em A View to a Kill (007, Alvo em Movimento, 1985), e um pai malévolo que inicia o seu filho nos meandros do crime, em At Close Range (Homens à Queima-Roupa, 1986). Continuou na saga do desempenho de personagens neuróticas: em Biloxi Blues (Os Rapazes de Biloxi, 1988), foi um sargento pouco convencional, e, em King of New York (O Rei de Nova Iorque, 1990), vestiu a pele de chefe mafioso filantrópico num ambiente pós-moderno. Foi um requintado vilão Max Schreck, em Batman Returns (Batman Regressa, 1992), e, a partir daí, foi presença constante como ator convidado em filmes como Wayne's World 2 (Quanto Mais Idiota, Melhor 2, 1993), Pulp Fiction (1994), Nick of Time (Minutos Contados, 1995), Sleepy Hollow (A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, 1999), Blast From the Past (O Namorado Atómico, 1999), The Affair of the Necklace (O Caso do Colar, 2001) e Catch Me If You Can (Apanha-me Se Puderes, 2002), tendo obtido, com esta última prestação, uma nomeação para o Óscar de Melhor Ator Secundário.
Como referenciar: Christopher Walken in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-01-17 14:03:24]. Disponível na Internet: