Luanda

Aspetos GeográficosCapital de Angola e da província de Luanda, esta cidade situa-se no litoral, junto da baía com o mesmo nome. Limitada pela província de Bengo e, a oeste, pelo oceano Atlântico, a província de Luanda tem uma superfície de 2257 km2 e uma população de cerca de 4 milhões de habitantes, dos quais 2 822 000 (2004) na capital.

História e Monumentos
A atual Luanda foi fundada em 1576, pelo capitão Paulo Dias de Novais, primeiro governador de Angola. Cedo se desenvolveu uma povoação para a qual se dirigiram vários comerciantes interessados no tráfego de escravos. Em 1605, apesar de não possuir qualquer fortificação ou feitoria, a povoação foi elevada a cidade. Em 1641, ficou sob o domínio dos holandeses, sendo recuperada, em 1648, sob o comando de Salvador Correia de Sá, que lhe atribuiu o nome de S. Paulo da Assunção de Luanda. Nos séculos XVII e XVIII, foram construídas várias fortificações, como a Fortaleza do Morro de S. Miguel, a de São Pedro da Barra, o Forte de São Francisco do Penedo, o de N.ª S.ª da Guia e o de São António. Durante os séculos XVIII, XIX e XX, a urbe conheceu um grande desenvolvimento na arquitetura civil e religiosa de que são exemplo os palácios do antigo Governo-Geral, o Paço Episcopal e a Igreja do Carmo. Com o progresso da cidade, surgiu também a imprensa, aparecendo, em 1856, o primeiro órgão de comunicação, Aurora.
No século XX, foram criadas instituições públicas de relevo, como o Museu de Angola (1938), o Instituto Angolano de Educação e Serviços Sociais (1962) e os Estudos Gerais Universitários (1962), que foram substituídos pela Universidade, em 1968. Após a independência, em 1975, Luanda tornou-se a capital do país e conheceu um grande afluxo populacional, devido à guerra civil, acentuada no interior do país, provocada pela luta pelo poder entre os diversos partidos políticos de Angola. No início de 2002, com o fim da guerra civil, Luanda começou a recuperar o esplendor do passado, retomando o caminho do progresso e do desenvolvimento.

Economia
Atualmente, Luanda, a maior cidade de Angola, é um importante centro comercial e industrial. Os principais produtos agrícolas da região, que fomentam a economia local, são: mandioca, milho, amendoim, feijão, batata-doce e banana. A partir do moderno porto de Luanda, exporta-se essencialmente petróleo, café, diamantes, ferro e produtos piscatórios. A atividade pesqueira, apesar de artesanal, constitui uma importante fonte de rendimento para a população local. Estão ainda a decorrer projetos de reabilitação da rede ferroviária da província (538 km) para facilitar o escoamento das mercadorias e acelerar a mobilidade das populações. Para além disso, a cidade está servida com o maior aeroporto internacional do país, sendo a TAAG - Linhas Aéreas de Angola, a transportadora aérea nacional. Os setores do emprego, da habitação e da higiene sanitária são as áreas mais problemáticas da província. Para inverter esta situação, o Governo tem procurado não só encontrar as melhores soluções, como também criar parcerias com outros países para que o investimento estrangeiro acelere o desenvolvimento socioeconómico.

Aspetos Turísticos e Curiosidades
Para além da hospitalidade do seu povo e da riqueza da sua história, a província de Luanda tem vários locais turísticos de interesse: a baía do Mussulo, a sul de Luanda, onde se encontra o Museu da Escravatura e a exótica ilha também designada Mussulo; a Barra do Kwanza (junto ao maior rio angolano - o Kwanza), da qual se destaca a praia das Palmeirinhas (ideal para a prática de surf) e o Miradouro da Lua, com uma insólita paisagem; o Parque Nacional do Kissama (a 70 km a sul de Luanda), que está a ser repovoado com fauna original, após séculos
de matança.
A nível cultural, destaca-se o papel da União de Escritores Angolanos na difusão e promoção da cultura e da literatura do país. Várias figuras de renome nacional e das mais diversas áreas são naturais de Luanda, como Óscar Ribas, John Bella, Viteix, Filipe Mukenga, Ondjaki e Mantorras.
Como referenciar: Luanda in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-18 17:37:35]. Disponível na Internet: