Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Francisco Lyon de Castro

Editor e ativista político português, Francisco Lyon de Castro nasceu a 24 de outubro de 1914, em Lisboa.
O mais novo de dez irmãos e neto de um escocês, Lyon de Castro começou a trabalhar, aos 14 anos de idade, como aprendiz de Artes Gráficas na Imprensa Nacional, onde se relacionou com operários anarquistas, sindicalistas e comunistas. Em 1932, fundou o jornal Mocidade Livre, que constituía uma frente democrática de jovens operários e estudantis e que esteve, posteriormente, ligada à formação da União Cultural Mocidade Livre.
Em 1933, filiou-se no Partido Comunista Português e, em finais desse mesmo ano, participou na elaboração de um movimento contra o regime do Estado Novo, que liderou, a 18 de janeiro de 1934, a revolta dos vidreiros da Marinha Grande. Em consequência das várias prisões e repressões que se sucederam após a revolta, Lyon de Castro exilou-se em Madrid, onde passou a militar pelo Partido Comunista Espanhol, contactando então com figuras de destaque, como Dolores Ibarruri e Francisco Paula de Oliveira. Em seguida, foi clandestinamente para Paris, onde trabalhou em organismos democráticos e de solidariedade, sobretudo entre operários portugueses estabelecidos na região parisiense.
Quando regressou a Portugal, foi preso e julgado pelo Tribunal Militar Especial que o condenou a quatro anos de desterro, cumprindo a pena na Fortaleza de São João Batista, em Angra do Heroísmo, nos Açores. Durante a sua prisão, teve conhecimento do Pacto Germano-Soviético, assinado em 1939, e abandonou, por isso, o Partido Comunista Português.
Depois de ser libertado, em 1940, regressou a Lisboa e, após ter trabalhado na pequena empresa da família, fundou a Publicações Europa-América, em 1945, que tinha como objetivo não só o desenvolvimento da atividade editorial, como também da importação de livros e de periódicos estrangeiros. No entanto, essas importações, que levaram por duas vezes à prisão de Lyon de Castro, eram retidas nos correios pela Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PDVE) e pelos Serviços de Censura.
Em 1952, fundou o jornal Ler que tinha a colaboração de diversos intelectuais, como Piteira Santos, Cardoso Pires, Maria Lamas, Mário Dionísio, António Quadros, José Régio e Orlando Ribeiro. Foi contudo proibida a sua publicação, no ano seguinte, pela Censura.
Em 1962, num congresso da União Internacional de Editores, em Barcelona, e em 1965, em Washington, o editor acusou o regime português da prática de censura e da proibição de lançamento de certos livros estrangeiros e nacionais. Na fase antecedente ao 25 de abril, a editora conseguiu publicar autores "proibidos", como Alves Redol, Soeiro Pereira Gomes, García Márquez e Jorge Amado.
Em dezembro de 1975, foi convidado para a administração da empresa Notícias-Capital, que agrupava os jornais Diário de Notícias e A Capital, e para a presidência da Comissão de Reestruturação da Imprensa Estatizada, funções que aceitou na condição de não receber qualquer remuneração. Para além disso, Francisco Lyon de Castro foi, após o 25 de abril, o primeiro presidente eleito da Associação Portuguesa de Editores e da Associação Portuguesa das Indústrias Gráficas. Em 2000, participou também ativamente na criação da União de Escritores Portugueses e, até à data da sua morte, era o mais antigo editor no mundo em funções.
Recebeu algumas condecorações, como a da Ordem Nacional de Mérito da França (1975) pelo Presidente François Mitterrand, a do grau de Comendador da Ordem da Liberdade (1975) pelo Presidente António Ramalho Eanes e a do grau de Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras (2000) pelo Governo francês.
Francisco Lyon de Castro faleceu a 11 de abril de 2004, em Sintra.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Francisco Lyon de Castro na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 16:30:17]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros