Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Luís Kandjimbo

Escritor angolano, Luís Kandjimbo nasceu em Benguela, em 1960.
Membro da Brigada Jovem de Literatura da Huíla, incentivou a implementação da resvista Hexágono.
Já em Luanda, tornou-se membro, entre 1981 e 1982, da Brigada Jovem de Literatura (BJL). Em 1984, integrou o grupo coletivo de trabalho literário "Ohandanji", ao lado de outros nomes jovens da ribalta literária, nomeadamente, Lopito Feijóo, Joca Paixão, Domingos Ginginha, António Panguila e Ana Paula Tavares.
É membro da União de Escritores Angolanos (UEA), fazendo parte também da Association pour l'Étude des Littératures Africaines (APELA), sedeada em Paris, na França.
Em 1989, apresentou ao I Congresso de Escritores de Língua Portuguesa uma comunicação intitulada "Para a Descalibanização das Literaturas Africanas" que suscitou alguma controvérsia.
Mantendo uma intensa ligação ao mundo literário, é responsável pela edição da gazeta Lavra e Oficina, da União de Escritores Angolanos, e da revista Mensagem do Ministério da Educação e Cultura de Angola (MEC).
Intelectual prestigiado, é responsável pelo programa televisivo de animação Leituras, na Televisão Pública de Angola (TPA).
Um dos nomes da geração de 80, a que ele próprio denominou de "Geração das Incertezas", o seu trabalho poético é caracterizado pela ausência dos referentes que caracterizam a poesia revolucionária, mantendo como temáticas nucleares - que aliás se constituem como fio condutor desta geração - a da desilusão face à situação vivida na sua Angola independente e a da angústia face ao futuro.
Embora superiormente consciente da necessidade de imprimir uma vertente crítica à sua poiesis, o autor rejeita uma postura poética panfletária e, através de um trabalho de recuperação dos aspetos universais da língua literária e de abandono dos regionalismos, denuncia, com profunda ironia e desencanto, a corrupção que impunemente varre o seu país: "O, neste tempo bizarro/Da profecia e do caos(...)".
Projetando um "eu lírico" nitidamente em crise, a poesia de Kandjimbo, como a de muitos outros poetas seus contemporâneos, metaforiza o mar como o espaço dual que simultaneamente simboliza a abertura para a liberdade e o abismo intransponível, rasgado pela deceção provocada pela guerra e pela corrupção: "O mar simboliza dor quando/estaciona nas trepidações/da muralha.", constituindo-se, então, como a imagem da amargura sentida por um sujeito poético que se sente enganado e desiludido por utopias próximas.
Crítico literário e ensaísta, os seus textos encontram-se publicados em vários jornais e revistas angolanas e estrangeiras.
Em parceria com Lopito Feijóo, escreveu o ensaio, s/d, Geração da Revolução. Novos Poetas Angolanos em Volta.
É autor das seguintes obras: Apuros de Vigíla. Ensaios de Meditação Genérica (1988); Apologia de Kalitangi. Ensaio e Crítica (1997); Estrada da Secura (1998), Menção Honrosa do Prémio Sonangol de Literatura (1998) - poesia; O Notívago e Outras Estórias de um Benguelense (2000) - conto; e De Vagares a Vestígios.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Luís Kandjimbo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-25 21:12:17]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais