Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe

1 min

adrenalina
favoritos

É uma hormona segregada pela glândula suprarrenal, nos gânglios nervosos, nas terminações das fibras simpáticas e nos paragânglios cromafins. Também é designada pelos autores anglo-saxões, por epinefrina.
Aumenta a atividade cardíaca, melhora a atividade muscular e eleva a capacidade de reação do corpo em virtude de um susto, de uma fuga, ou de uma luta, este efeito corresponde a uma resposta de alarme. Ao mesmo tempo, inibe a atividade digestiva e as secreções, provoca vasoconstrição periférica, aumenta o tónus dos esfíncteres.
A adrenalina pode ser injetada para aliviar a asma branquial e reduzir, por constrição vascular, a perda de sangue durante as cirurgias. A adrenalina provoca aumento da pressão arterial e eleva a glicemia favorecendo a libertação de glicose hepática que é necessário para a realização dos trabalhos musculares. Também atua nas fibras musculares erectoras dos pelos e na dilatação da pupila.
Medula suprarrenal, onde se produz a adrenalina
Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – adrenalina na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-06-18 02:32:07]. Disponível em

Geração D

Carlos de Matos Gomes

Amar em caso de emergência

Vera dos Reis Valente

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe