Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe

O Livro de San Michele

Axel Munthe

Peregrinação

Fernão Mendes Pinto

2 min

Nova Déli
favoritos

Aspetos Geográficos
Nova Déli situa-se no território da União de Nova Déli, junto ao rio Jumna, a 1280 km de Calcutá, no Noroeste da Índia. Foi construída a partir de um projeto inglês que se implantou em terrenos contíguos à Velha Déli. A Velha Déli, situada a norte, é o centro de comércio e a Nova Déli, a sul, é a capital da União Indiana. A sua população é de 32 941 000 habitantes (2023).

História e Monumentos
Existiram oito cidades designadas Déli, contíguas ou não, desde a primeira chamada Indraprashta, até à atual Déli. No século XII foi capturada por Kutb-ud-Din, que a tornou capital do estado muçulmano em 1206. Mais tarde foi saqueada e, em 1526, caiu em poder do mongol Baber. Morto Aurangzeb, em 1707, o império iniciou o seu declínio, sendo a cidade saqueada pelos persas.

Em 1803 passou para a posse dos ingleses, mas foi governada por imperadores, sob a custódia da Companhia das Índias Orientais, até 1857, quando ocorreu a célebre Revolta dos Sipaios, com a captura e deposição do último imperador mongol.

Túmulo de Isa Khan no complexo do Túmulo de Humayun, Nova Deli
Trajes típicos da região
Túmulo de Humayun em Nova Deli
Mercado em Nova Deli
O rei Jorge mudou a capital de Calcutá para Nova Déli em 1931. A cidade foi elevada a capital para substituir as funções exercidas pela Velha Déli. Esta foi a capital do país desde 1911, quando Calcutá deixou de exercer estas funções. Em 1947 Nova Déli tornou-se a capital da União Indiana.

Os monumentos mais importantes são o Palácio Rashtrapati Bhawan, construído em arenito e mármore, sendo hoje a residência oficial do presidente; o Arco Comemorativo da Primeira Grande Guerra, construído em 1921, e os Templos Religiosos de Balmiki e Lakshminarayan, que foram frequentados por Mahatma Gandhi. Na cidade velha, frente ao rio, levanta-se o Forte Vermelho, que rodeia um palácio mongol do século XVII. Na margem do Jumna encontra-se Rajghat Samadhi, onde foi incinerado o corpo de Gandhi. De grande interesse é também a Grande Mesquita do século XVII e a Mesquita Moti Musjid, construída por Aurangzeb.

Aspetos Turísticos e Curiosidades
A capital apresenta um traçado simétrico, em função de uma planta desenhada por Sir Edwin Landseer (arquiteto inglês de finais do século XIX). A noroeste, as ruas dispõem-se segundo uma planta radial. O Raj Path é uma extensa avenida, rodeada de canais e árvores. Este boulevard estende-se desde o Palácio Presidencial até ao Arco Comemorativo da Primeira Guerra Mundial.

Dos museus que se localizam na cidade, o mais importante é o Museu Nacional.

A capital possui um comércio muito ativo. Este setor, designado por Connaught Place, corresponde às ruas centrais do comércio e está localizado em áreas típicas, como por exemplo: Chandni Chow (tecidos, banca); Chawri Bazar (ferramentas); Sadar Bazar (mercearias); Khari Bawli (alimentação).

A cidade velha está rodeada por uma muralha de pedra, construída em 1638 pelo imperador Shah Jahan. No Sul existem vários túmulos, dos quais se destacam os de Humayun, Isa Khan e Safdar Jang.

Em Nova Déli situam-se as ruínas de um observatório, Jantar Mantar, construído por um astrónomo rajputa.

Economia
Nova Déli é o centro de governo e de administração. As duas cidades, Velha Déli e Nova Déli funcionam como uma só cidade. A capital está ligada por via férrea e avião com Bombaim, Calcutá e Madras. O seu setor industrial resume-se a uma indústria ligeira variada, onde se destaca a têxtil, que produz artigos de algodão, tecidos e telas. A produção de joias e a imprensa também são significativas.

Perto da cidade existem diversas instituições educativas de carácter superior e muitas delas correspondem a centros de investigação científica.

 

Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – Nova Déli na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-02-24 07:19:41]. Disponível em

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe

O Livro de San Michele

Axel Munthe

Peregrinação

Fernão Mendes Pinto